/

O tecto panorâmico

O nosso carro anterior não tinha tecto panorâmico e a Luisa e o Dudu nunca tinham tido a experiência de se deslocarem de carro a olhar para o céu. Agora andam os dois fascinados com o “céu” do carro.

A Luisa acha fantástica a possibilidade de poder ver as árvores e as nuvens. Estamos sempre a prometer-lhe ver as estrelas, mas como ainda não andámos no Verso de noite, fora da cidade, está sempre demasiada claridade para se conseguir ver distintamente as estrelas.

Já o Dudu tem um misto de curiosidade e de irritação quando abrimos o tecto panorâmico. Olha pelo canto do olho e acha aquilo estranho. Depois se a mana se entusiasma e começa a incitá-lo a olhar, lá se deixa contagiar.

No outro dia, era já fim de dia, abrimos o tecto panorâmico. A Luisa ia excitadíssima e o Dudu queixoso, porque de vez em quando o Sol batia-lhe nos olhos. Decidimos fechar porque o cachopo já estava a ficar irritado, e logo a Luisa – Abre só para mim!
Lá lhe explicámos (como conseguimos), que não era possível, que quando abríamos era para “todos” .
E ela – então quero um “céu” só para mim.

Prometemos-lhe falar com os senhores da Toyota, que desenham os carros, para lhes dar essa ideia e ela ficou contentíssima :-)

Gostou deste artigo?

Subscreva o nosso Feed RSS, siga-nos no Twitter ou simplesmente recomende-nos aos seus amigos e colegas!

Posts relacionados: